Counters
Free Counter omnia mutantur, nos et mutamur in illis


Viagens...

> moacircaetano todo prosa <

> flickr <

> desenhos e photoshop <

> retratista <

> armazém de coisas <

> blog de 7 cabeças <

> músicas com josué <

> fotolog com Miriam e Ju <

Antes...

01/01/2017 a 31/01/2017
01/12/2016 a 31/12/2016
01/10/2016 a 31/10/2016
01/05/2016 a 31/05/2016
01/04/2016 a 30/04/2016
01/03/2016 a 31/03/2016
01/02/2016 a 29/02/2016
01/12/2015 a 31/12/2015
01/10/2015 a 31/10/2015
01/05/2015 a 31/05/2015
01/02/2015 a 28/02/2015
01/11/2013 a 30/11/2013
01/04/2013 a 30/04/2013
01/02/2013 a 28/02/2013
01/01/2013 a 31/01/2013
01/12/2012 a 31/12/2012
01/10/2012 a 31/10/2012
01/09/2012 a 30/09/2012
01/08/2012 a 31/08/2012
01/07/2012 a 31/07/2012
01/02/2012 a 29/02/2012
01/12/2011 a 31/12/2011
01/03/2011 a 31/03/2011
01/08/2010 a 31/08/2010
01/07/2010 a 31/07/2010
01/03/2010 a 31/03/2010
01/08/2009 a 31/08/2009
01/07/2009 a 31/07/2009
01/04/2009 a 30/04/2009
01/02/2009 a 28/02/2009
01/01/2009 a 31/01/2009
01/12/2008 a 31/12/2008
01/11/2008 a 30/11/2008
01/10/2008 a 31/10/2008
01/09/2008 a 30/09/2008
01/08/2008 a 31/08/2008
01/07/2008 a 31/07/2008
01/06/2008 a 30/06/2008
01/05/2008 a 31/05/2008
01/04/2008 a 30/04/2008
01/03/2008 a 31/03/2008
01/02/2008 a 29/02/2008
01/01/2008 a 31/01/2008
01/12/2007 a 31/12/2007
01/11/2007 a 30/11/2007
01/10/2007 a 31/10/2007
01/09/2007 a 30/09/2007
01/08/2007 a 31/08/2007
01/07/2007 a 31/07/2007
01/06/2007 a 30/06/2007
01/05/2007 a 31/05/2007
01/04/2007 a 30/04/2007
01/03/2007 a 31/03/2007
01/02/2007 a 28/02/2007
01/01/2007 a 31/01/2007
01/12/2006 a 31/12/2006
01/11/2006 a 30/11/2006
01/10/2006 a 31/10/2006
01/09/2006 a 30/09/2006
01/08/2006 a 31/08/2006
01/07/2006 a 31/07/2006
01/06/2006 a 30/06/2006
01/05/2006 a 31/05/2006
01/04/2006 a 30/04/2006
01/03/2006 a 31/03/2006
01/02/2006 a 28/02/2006
01/01/2006 a 31/01/2006
01/12/2005 a 31/12/2005
01/11/2005 a 30/11/2005
01/10/2005 a 31/10/2005
01/09/2005 a 30/09/2005
01/08/2005 a 31/08/2005
01/07/2005 a 31/07/2005
01/06/2005 a 30/06/2005
01/05/2005 a 31/05/2005
01/04/2005 a 30/04/2005
01/03/2005 a 31/03/2005
01/02/2005 a 28/02/2005
01/01/2005 a 31/01/2005
01/12/2004 a 31/12/2004
01/11/2004 a 30/11/2004
01/10/2004 a 31/10/2004
01/09/2004 a 30/09/2004
01/08/2004 a 31/08/2004
01/07/2004 a 31/07/2004
01/06/2004 a 30/06/2004
01/05/2004 a 31/05/2004
01/04/2004 a 30/04/2004
01/03/2004 a 31/03/2004


Links Amigos
 A Mulher que eu amo!!! (fotolog)
 A Mulher que eu Amo!!! (blog)
 Olívia e Bolívia
 A Madahlena sem Arrependimento
 Aline
 Andréa Del Fuego
 Ana Paula Mangeon
 Bizarro Deslumbre
 Borboleta e Joaninha
 Breves Histórias Cotidianas
 Calcinhas ao Léo
 Carla Juliano
 Césped Vesper
 Coisa Rara
 Coração na Boca
 Creolina
 Czarina
 Diovvani Mendonça
 Infinit Loop
 Decca e seus rabiscos
 Demasiadamente Inconstante
 e-pistolas
 Elaine Lemos
 Enfim tudo de novo
 Ensaios do Eu
 Escuchameporra
 Fada Milly
 Farinhada
 Fernando Palma
 Flores, Pragas e Sementes
 Gaveteiro
 Giramundo Giraeu Girassol
 Histórias e Vitórias
 Isabellinha, Movimentando o Nada
 Japonês em Braille
 Josué Gomes
 Keila, sobre caminhos e pedras...
 Leite de Letra
 Letra Preta
 Lobotomy Cafe
 Lomyne
 Lugar Gostoso
 Lume Vagante
 Marcelo Brettas
 Marluquices
 Mendoscopia
 Meu Contratempo
 Mia Geodésica
 Monopólio
 Múcio Góes
 Mundo Estranho
 Noturnolândia
 Rainha de Copas e seu sorriso de arco-íris
 Remo Saraiva
 Rita Apoena
 Samia
 Sandra Souza
 Saramar
 Torre de Bebel
 Um Anjo Pornográfico
 Um Tiro no Escuro
 Veronique
 Versos deLírios
 MUSICOVERY
 Devaneios Aéreos
 Nati Alves
 Hipácia
 O Mundo de Paco
 Tati Messias
 Suspiros de Sabrina
 Adyverso
 Verbologue
 Sentir é um Fato
 Mainha me deu lápis
 Ramon Alcântara









moacircaetano


MOMENTOS PROVÁVEIS DE SERES IMPROVÁVEIS

Introdução


Amanhã iniciarei uma série de contos...
Chamar-se-á (nossa, sempre quis falar isso... rs...) Momentos Prováveis de Seres Improváveis!
Momentos Prováveis, pois não são exatamente fatos ou acontecimentos, mas sim pequenos momentos interiores em instantes cruciais. Aquele segundo antes da ação... O pensamento, a reflexão que fez toda a diferença, e ainda assim se passou no espaço de um piscar de olhos. Alguns são bastantes prováveis. Outros, pura conjectura. Mas todos reflexos das ações posteriores desses Seres Improváveis em mim.
Seres Improváveis, pois são pessoas que, por uma ou outra razão, não poderiam nem mesmo terem existido. Seja por estarem muito além do seu tempo, ou por acreditarem em coisas que seus contemporâneos não compreendiam, ou mesmo por serem pessoas completamente fora do padrão. Mas, que por isso mesmo, mudaram o mundo ao seu redor... para o bem e para o mal!
As opiniões e pensamentos retratados nessa série não refletem necessariamente a opinião do autor.
Espero que vocês gostem. Até amanhã!
P.S.: Agradecendo à grande amiga Thaís, de quem veio o embrião da idéia! Beijos!



 Escrito por moacircaetano às 07h19
[ ] [ envie esta mensagem ]



MANHÃ

decca, marcelo brettas & moacircaetano
Acordou...
À sua frente, se descortinava o sol, lambendo seus cabelos desgranhados.
Começou a se espreguiçar lentamente, sentindo o ar fresco da manhã deslizar por sua pele... uma preguiça gostosa...
Então se lembrou do corpo!
Olhou ao seu lado e ele ainda estava lá!
Fechou os olhos, abriu-os, repentinamente...
"Não, não fora um sonho!", pensou, tentando envergonhar-se, mas a lembrança do ocorrido impregnava-lhe um sorriso maroto na face.
Começou a pensar em mentiras, versões que provocassem menos comentários e condenações durante o velório. Nada lhe parecia razoável.
A verdade é que lá estava ela, completamente nua, apreciando a nudez, já sem vida, do marido de sua melhor amiga, que horas antes lhe dera o seu último orgasmo.




 Escrito por moacircaetano às 05h48
[ ] [ envie esta mensagem ]



AVISO

moacircaetano
Roda de carro
com apenas dois parafusos?
Isso não é coisa que se faça!

Pegue agora mesmo esse telefone!
Isso já não tem a mínima graça!



 Escrito por moacircaetano às 07h05
[ ] [ envie esta mensagem ]



ESTRADA

moacircaetano
A cento e sessenta por hora
a realidade se desfaz
e tudo é só velocidade
e paz...


 Escrito por moacircaetano às 07h22
[ ] [ envie esta mensagem ]



GÊNESE

moacircaetano


A voz de Deus, impávida, me expulsou.
Peguei minha folha de parreira, Eva, uma maçã
e construí meu mundo!



 Escrito por moacircaetano às 06h21
[ ] [ envie esta mensagem ]




Dançando
entre os fios de vida
querem desesperadamente
se equilibrar...

Se esquecem de que podem voar!



 Escrito por moacircaetano às 07h15
[ ] [ envie esta mensagem ]



EPÍLOGO

moacircaetano
-Alô...
-Desculpe te incomodar a essa hora, mas... não dá pra ficar mais essa noite sem ao menos um pouquinho!
-Mas foi você quem me ofereceu pela primeira vez!
-Não importa se eu estou viciado ou não, o problema é meu!
-Eu preciso de mais um pouco...
-Sim, eu sei... mas é que... peraí...
-É, eu sei que não tenho condições de pagar o preço, mas eu simplesmente preciso, você não entende?
-Olha, se você não me atender, vou ser obrigado a tomar atitudes drásticas!
-Estou te avisando!!!
-Você não me conhece! Você não sabe do que eu sou ca...
-Mas...
-Tá bom, eu sei... Me desculpa... Não... Não, eu não vou mais... perdão, me desculpa!
-Só preciso de mais uma vez! Uma vezinha só! Eu juro!
-Eu sei que eu falei a mesma coisa da última vez... mas... agora é sério!!!
-Eu juro... por favor... estou de joelhos! Ai, meu Deus do céu!
-Alô?
-Alô?
-Eu preciso do seu amor, eu preciso!
-Não desliga, por favor... eu te amo... eu te amo...
-tem uma arma na minha mão...
-eu te...
-eu...
-...


 Escrito por moacircaetano às 06h10
[ ] [ envie esta mensagem ]



COPA DO MUNDO

moacircaetano


O jogo de ida
na casa do oponente...
retranca e medo
de um contra-ataque iminente!

Jogo de volta: 0 x 0
e empate em casa
é derrota!
45 do segundo tempo!
Haverá tempo
pra uma reviravolta?



 Escrito por moacircaetano às 08h34
[ ] [ envie esta mensagem ]



FIM

moacircaetano
Quando o mar se transformar em carvão
não me tragam seus filhos chorantes
pra colorirem sua pele branca.

Não cabem mais lágrimas nos mares.
Eles estão saturados de sal
e suicídios.

O apocalipse já chegou
e seu corpo já sucumbiu...

E do amanhã só resta o desejo!


 Escrito por moacircaetano às 06h45
[ ] [ envie esta mensagem ]



INSÔNIA

moacircaetano


o sorriso que inundou a madrugada
ainda existia

estava longe agora,
luz acesa em pleno dia

mas estava perto ainda assim
em forma de saudade
em forma de carinho
em forma daqueles olhos em mim!



 Escrito por moacircaetano às 06h21
[ ] [ envie esta mensagem ]



UNFAIRY TALE

moacircaetano
Ela tinha nojo de homens.
Não é que ela não gostasse... Ela gostava... e muito!
Gostava do jogo de sedução masculino. Adorava a mente infantil dos homens. Gostava da agitação suada de seus movimentos. De sua necessidade de aceitação. De sua sede de poder. E de sua quase sempre inabilidade com os sentimentos mais profundos.
Mas ela simplesmente tinha nojo de homem!
Não, ela não era lésbica... Não lhe agradava o toque macio da pele feminina, nem a clarividência tão típica das mulheres. Não sonhava com os beijos e abraços de bocas mulherescas. É... definitivamente não era lésbica.
E por ter nojo de homem - e não desejar de maneira alguma uma mulher - vivia sozinha.
Nunca namorara. Nunca trocara carinhos de adolescente. E assim tinha aprendido a viver. Como alguém a quem tivessem extirpado as amígdalas, ou o apêndice.
Não, na verdade era um pouco mais desagradável... era como se... sei lá... como se não tivesse nenhum dente! Isso! Péssimo, mas... acostuma-se.
Um dia se apaixonou. O homem perfeito! Poesias, flores e flertes. Abria a porta do carro. Ligava todos os dias. Olhava-a com um olhar infinito de promessas e desejos. Mas tudo na medida certa. Nada ali sobrava ou faltava. Nunca se excedia. Nunca se esquecia.
Paciente. Podia esperar por horas numa fila, e ainda assim exibir um sorriso apaixonado. Amigo. Companheiro. E na cama, um furacão!
Primeira vez. Primeiro beijo. Primeiro toque. Estremeceu. Um abraço... seu estômago embrulhou-se. Os lábios se roçaram. Vomitou.
Ele ainda entendeu, apesar do desagradável da situação. Disse que lhe desejava sorte. Disse que estaria sempre à espera. Disse um respeitoso "Eu te amo". E ela chorou.
Ao chegar em casa, tomou todo o veneno de rato que havia em sua despensa. E morreu pensando nele.


 Escrito por moacircaetano às 05h50
[ ] [ envie esta mensagem ]



ASSALTO

moacircaetano
A porta estava fechada
e só passavam
os donos da verdade!

Esmurrei o segurança
meti o pé no trinco
e quebrei minha vontade!


 Escrito por moacircaetano às 07h09
[ ] [ envie esta mensagem ]



VERMELHO

moacircaetano
O que vocês estão olhando?
Nunca viram
alguém sangrando?
Ou seria a sua composição
leve, solta
bolha de sabão?

Sim, é sangue
isto que você vê!
Não é chocolate
ou massa de tomate...
não é como na TV!

Vem, bebe um pouquinho...
sente um pouco da minha dor...
Vê como a cada gole
a vida perde a cor!

Vem, arranca meus olhos
e bebe direto do liquidificador!


 Escrito por moacircaetano às 09h22
[ ] [ envie esta mensagem ]



ENCANTO

moacircaetano


Essa pele
que se derrama em meus braços
Esses beijos
que me beijam sedentos
sem espaços
pra rrependimento...

Essa boca
esses cabelos
os caminhos da minha mão...
O encontro
O encaixe
Explosão!



 Escrito por moacircaetano às 05h47
[ ] [ envie esta mensagem ]



DECCA

moacircaetano


Mulher-luz, o que mais
poderia eu dizer de você?
Já gastei meus adjetivos
já esgotei meu vocabulário
e em nenhum dicionário
encontro palavra adequada
pra te declamar
de um jeito preciso...

Mulher-tantas
anjo, passarinho
eu sozinho
não consigo comprimir
nessa linhas de poesia
o que me invade...
sente aqui!

Mulher-menina
quisera eu
ser uma horda
de poetas loucos
de gênios, artistas
pra te pintar
pra te escrever
pra te exprimir
em rimas ricas
e não nessa poucas
tentativas...

Mulher-mulher
de força tanta
e de tanto amor
não vou tentar ser maior
do que infelizmente sou...

vou apenas deixar
meu pensamento atravessar
essa membrana espessa
a que chamam distância
sonhar um abraço
sonhar um beijo
nesses olhos de criança
deixar meu ser
se embrenhar no seu
numa suave dança!

Menina Decca
que este dia
lhe seja início
lhe seja aurora
lhe seja propício
ao que quer que seja
que te traga de volta
do dia difícil...

Menina Andréa
pego meu coração
e te dou de presente...
Pode usar, deposita nele
essa aguardente
e abre as portas...
O sol te espera
na porta da frente!




 Escrito por moacircaetano às 11h35
[ ] [ envie esta mensagem ]



DISTRATO

moacircaetano & ady cavalcante

Tudo conforme o combinado. O carro preto, reluzente, havia parado uns dez metros à sua frente, num trecho mal-iluminado da rua. De dentro, salta o mascarado. Ela esboça uma reação, quase teatral, mas ele a joga dentro do carro. Em segundos está amordaçada. Mas... algo estranho... a mão, a mão do homem, ela não a conhece. Aquele homem realmente é um desconhecido. Não é seu namorado!!!

Tentou gritar, mas a mordaça abafou todo e qualquer ruído. Tentou se mover, mas as cordas não deixavam. Suas pernas batiam na tampa do porta-malas, e seus joelhos sangravam. Tentou raciocinar, mas não havia oxigênio suficiente em seu cérebro!

Só podia chorar, e foi o que fez... um choro silencioso, feito de lágrimas e desespero.

Foi arrancada de seu choro... o carro parou!

Ouviu o porta-malas ser aberto. Sequer ousou respirar naquele minuto. Ou nos quinze minutos seguintes. Quando criou coragem, chutou violentamente, e sentiu uma rajada de ar fresco. Estava livre. E confusa. Teriam-na confundido com uma ricaça em um seqüestro? O namorado quis dar realismo às suas fantasias? Não sabe. Agora só grita. E espera que não demore muito pra que alguém a encontre.

De repente, passos! Graças a Deus! Olhou em volta... nada nem ninguém até onde sua vista podia alcançar... exceto aqueles dois olhos... e aquela faca!

Antes de morrer, ainda sentiu o maldito penetrando-a...




 Escrito por moacircaetano às 05h58
[ ] [ envie esta mensagem ]



DYA DY ADY

moacircaetano


Um dia uma estrela nasceu...

Não parecia uma estrela...
À primeira impressão
seria uma menina normal
com boca, olhos, pés e mãos...

Mas algo diferente se viu
naqueles olhos vivazes
algo primaveril
algo repleto de flores
e de lilazes...

A menininha cresceu
virou mulher, vulcão,
batalhou, sofreu
mas em nenhum momento
perdeu sua alegria
que planetas atraía...
supernova em expansão!

E pensar que antigamente
esse dia me seria
como outro dia qualquer...
Agora não...
É dia de Ady, é dia
de poesia...
é dia de vulcão e de mulher!


Beijos, Ady!
Obrigado por existir... e por aparecer em nossa vida...



 Escrito por moacircaetano às 13h58
[ ] [ envie esta mensagem ]



PRIMAVERA

moacircaetano


Uma flor nasceu
por entre as rachaduras
da minha calçada...

Chamei-a de minha
mas lembrei-me que antes
ela já existia...

Ah, e daí?
Flor não tem
nem nunca teve
documento!

Roubei-a
pegando carona com o vento!



 Escrito por moacircaetano às 07h03
[ ] [ envie esta mensagem ]



ASCO

moacircaetano
Você é um invertebrado...
Posso sentir
no seu olhar!

Pelo aperto de mão frouxo
pelo seu brilho pouco
pelo fosco no seu pensar

Pelo musgo que te escorre da pele
pela tua aparência fétida
pela sua constituição...

Invertebrado!
Sai-te já daqui...
Retira tua carne
do alcance das minhas mãos!


 Escrito por moacircaetano às 06h39
[ ] [ envie esta mensagem ]



CONTINUAÇÃO

moacircaetano
No meio das tuas pernas
minha língua se traduziu
em gemidos desconexos
e num breve desafio
adentrei tua oralidade
escrevi no meu idioma
o gosto do teu cio...


 Escrito por moacircaetano às 07h00
[ ] [ envie esta mensagem ]



RETICÊNCIAS

moacircaetano
Aos teus pés
roubei-te
meu mais precioso troféu...

teu gosto...
o que escorre de ti
e me leva aos céus...


 Escrito por moacircaetano às 23h43
[ ] [ envie esta mensagem ]



ESTETOSCÓPIO

moacircaetano
tá batendo devagarinho?
tum
tum
tum?
ou tá batendo assim:
tumtumtum
tumtumtum
tumtumtum?
quantos corações você tem?
só um?
e eu...
que não tenho nenhum?
então
me empresta
o seu coração?
só pra ouvir
a sua canção:
tumtumtum
tumtumtum
tum...
tum...
tum....................................


 Escrito por moacircaetano às 06h57
[ ] [ envie esta mensagem ]



REVELAÇÃO - Final

moacircaetano & marcelo brettas

O fone ainda distante da orelha. Uma voz suave e sensual escorre fio abaixo.
"Olá!"... e um longo silêncio a lhe consumir as entranhas.
Olha para os lados e nada. Nem carros, nem pessoas... animal ou movimento qualquer.
Sentia uma respiração vindo do outro lado. Esse único sinal de vida era desconhecido, não tinha cara e lhe chegava através daquele fio ligado ao fone.
A primeira imagem que lhe veio à cabeça foi a de um cordão umbilical.
Ficou imóvel por algum tempo. A língua, em louca retorcida, como a das minhocas cortadas ao meio, conseguiu articular  novamente: "Alô!"

Um súbito rubor lhe invadiu a face. Suas pernas se dobraram, tal a vertigem que lhe afligiu. Seus olhos se cegaram por alguns instantes, que tanto podem ter sido segundos como horas. Entregou-se à inconsciência, arrebatadora e deliciosa.

Acordou recostado ao pé do orelhão. O fone, dependurado, batia em sua cabeça delicadamente, ao sabor da brisa. Tuuuuuuuuuuuuuuuu...
À sua volta, o mundo seguia seu rumo normalmente. A rua repleta de pessoas, carros, vento e poluição. O barulho inclemente do tráfego lhe rasgava os ouvidos. Como sempre...
Levantou-se. Rumou para o trabalho. O mesmo velho chato tolo trabalho. Que desculpa daria ao idiota do seu chefe?

Olhou-o fixamente. Encheu os pulmões e deu meia volta. Apressados passos ganharam novamente as ruas. Que estranha sensação era aquela?
Olhou, com carinho, para cada um dos orelhões que encontrou... Só silêncio!
Andou e andou, até que a noite o acolhesse. Na lembrança apenas aquele "Olá!". Não compreendia como aquela única palavra podia agregar tanta força.
Chegou em casa. Aqueles braços, aquelas pernas, aquela boca... ela continuava lá, maravilhosa como sempre... mas ele já não era o mesmo.




 Escrito por moacircaetano às 08h18
[ ] [ envie esta mensagem ]



REVELAÇÃO - Parte I

moacircaetano & marcello brettas

O orelhão tocou ao seu lado...
Olhou pra todos os lados... ninguém! Talvez alguém tivesse marcado horário ali e se atrasado...
Continuou seu caminho!
Continuou pensando naquela manhã maravilhosa... naqueles braços... naquelas pernas... naquela boca incessante! Quase não conseguiu reunir forças pra se levantar da cama e ir pro trabalho!
De repente, assustou-se! Outro orelhão tocava ao seu lado! Parou, olhou pra todos os lados... ninguém!

Quase nove! Como pode não haver um alguém qualquer na rua?
Todos os dias as cotoveladas, ombradas, tropicões... e palavrões, é claro, teimavam em apagar o cheiro e as marcas que aquela adorável boca lhe deixavam na nuca.
Pensava tanto e só nela... Não saberia dizer se, antes de começar o irritante toque que o tal orelhão transmitia sem cessar, as mesmas e indiferentes pessoas lá estavam, a fingir a mesma indiferença de sempre...

Rodeou  o orelhão... Lembrou-se das troças que pregava quando moleque. Lembrou-se do dia em que colocou um paralelepípedo dentro de uma caixa de sapatos e, depois de fazer um belo embrulho para presente, o "esqueceu" em cima da mureta, na calçada de sua casa. Lembrou-se, com dó, ter visto um pobre velhinho, quase raquítico, juntando as suas últimas forças para carregar aquele embrulho, bem escondido sob o casaco.
Só pode ser coisa de moleque, pensou ele!


Prestou atenção... na verdade, vários toques pareciam vir de vários lugares... sim... da casa em frente, do bar na esquina, da drogaria... todos telefones tocando simultaneamente... e ninguém atendia!
Na verdade, não havia ninguém em lugar nenhum!

Encheu-se de coragem - logo ele, que era um bundão! - e colocou a mão sobre o fone. Juntamente com o ruído insistente e irritante, sentiu o aparelho vibrar em suas mãos.
Retirou-o do gancho. Levou-o até o ouvido.
"Alô!", disse, com a voz trêmula...


 Escrito por moacircaetano às 08h05
[ ] [ envie esta mensagem ]



CONDÔMINOS

moacircaetano
Engraçado...
há uma semana que os insetos invadiram minha casa... não uma invasão no verdadeiro sentido da palavra, mas... sei lá... é como se fosse uma peça de teatro onde os atores se sucedessem, sem roteiro, sem direção...
Joaninhas, pequenos besouros, mariposas, mosquitinhos... nada nojento e nem preocupante. Eles chegam, ficam em algum cantinho e não me amolam... eu também não me aflijo com essas pequenas presenças.
A maioria deles são bonitinhos, e uma ou outra joaninha são realmente lindas!
Não sei o que querem comigo.
Por enquanto, elas dividem comigo os momentos de solidão...


 Escrito por moacircaetano às 00h30
[ ] [ envie esta mensagem ]